O rei vestiu-se na Câmara Municipal de Lisboa


O acto em si era simbólico. O efeito de retorno foi sem dúvida o pretendido pelos 31 da Armada. O dia 10 de Agosto de 2009 foi marcado por uma iniciativa insólita, que mais não foi do que um protesto pacífico e inofensivo, procurando relembrar uma outra iniciativa não tão pacífica, que mesmo não solicitada ou apoiada por maioria que a sustentasse nos foi imposta, ditando o nosso futuro daí em diante. Tinha nascido a República.
Agora a história foi reescrita, ainda que simbolicamente, ao invés.
Achei esta iniciativa uma lufada de ar fresco no panorama baforento pré-eleitoral, valeu bem mais do que 2oo mil professores nas ruas de Lisboa, 500 tractores a entupir a A2, 20 mil policias com as suas boinas no ar ou 1000 estivadores afoitos. Não retirando mérito a quem luta, esta no entanto sem arraial foi cirúrgica, e divulgada sublime e eficazmente.
Valeu porque foi simples, discreta, concisa e implacável no que toca aos objectivos propostos: Alertar através de um golpe de teatro. Chamar a atenção. Chocar pela irreverência, mas sem que ninguém fosse prejudicado ou saísse magoado no decorrer da mesma.
A mim pouco me interessa as motivações politicas por detrás de tudo isto, terão certamente que existir, congratulo-me isso sim com a genialidade da acção no que toca ao acordar das hostes adormecidas neste marasmo politicamente arrogante a que temos vindo a ser submetidos, embalados e adormecidos. Foi uma pedrada neste pequeno charco de mentalidades cada dia mais formatadas. Uma autêntica lufada do Ártico no pântano lodoso da resignaçao.
Fiquei preocupado sim, mas com as velhas que acorreram de imediato ao Restelo, pedindo a forca para estes "deliquentes" como a única solução para aliviar a dor da centenária República, a única forma de ver sarar as feridas abertas no ventre da Nação com o hastear daquela bandeira azul e branca, também ela, um símbolo histórico desta Nação, e um dos maiores, goste-se ou não.
Mas vivemos em Portugal, numa sociedade hipócrita e sem humor, e aqui em boa verdade mais depressa se prendem 31 por uma bandeira hasteada do que 40 e o Ali Babá em pessoa por corrupção activa.
Desta forma, só espero que o bom senso prevaleça, e que a fragilizada República em que vivemos aguente esta bofetada de pé, como uma senhora, e aprenda alguma coisa com ela.

1 comentários:

J. disse...

Concordo plenamente contigo! Post fabulosamente bem escrito...